quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Planos afundados.

Oi. Tomei vergonha na cara e vim fazer um post. Nem sei se vocês lembram de mim, mas enfim. Hoje eu estaria indo viajar e realizaria um sonho. Iria ver a @hifay_, e meus planos foram destruídos. Não sei se vocês já passaram por isso (provavelmente sim). Não há nada mais frustrante do que você ter que adiar seus planos. Eu já estava naquela expectativa de que meu sonho iria se realizar, e depois saber que teria que ser adiado é tipo uma porra porque um sentimento muito ruim domina seu corpo etc. Se vocês já passaram por isso, sabem do que to falando. Ah, e como a Nat falou, também to cansado de só fazer textos depressivos SEMPRE. Enfim, vocês que tem amigos virtuais (como eu) devem saber que amigos virtuais são tipo ótimos mas também só te fazem sofrer. O que mais me faz sofrer é saber que de repente não irei poder ver todos e isso é muito frustrante também. Enquanto isso minha vida vai continuando, mesmo existindo essa pedra no meu sapato. Vou aproveitar e pedir desculpas por ter deixado de ter postado, mas agora que acabou as aulas vai ficar tudo mais fácil pra mim. Tchau. @withoutanylink_.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Um sorriso manchado de sangue.

                    65406_10150103637890746_776360745_7367951_7316076_n_large

Estava sentada no parque, como sempre. Faço isso direto, saio sozinha, caminho, vou ao parque e observo. Saio da minha realidade e invado a realidade alheia. Observo como as pessoas agem, conversam, andam. Observo como se vestem e as caretas que fazem. Na maioria das vezes é tudo muito clichê, os mesmos atos, as mesmas conversas, os mesmos jeitos de andar, as mesmas roupas e as mesmas caretas. Mas naquele dia tinha algo a mais, especial, único. Percebi que não era a única sozinha no parque. Á poucos metros dali, avistei uma menina. Me assustei. Ela tinha dor no rosto. A dor, na maioria das vezes, deixa as pessoas feias. Mas com ela era diferente. Era como se, mesmo com dor, ela ficasse linda. Ela era linda, realmente linda. Do tipo que não passa maquiagem depois de acordar e continua linda. De início tive certeza que ela era bem mais velha que eu, mas ao olhar nos olhos dela, percebi que não, na verdade ela era alguns anos mais nova. Eles brilhavam. Eram os olhos de uma criança descobrindo que papai noel não existe. Eram a única coisa com vida nela. Seus olhos eram negros, mas não um negro comum. Tive a impressão de que se olhasse por muito tempo, eu me perderia dentro deles e enlouqueceria. Mas, se você está achando que acabou pro aqui, está muito enganado. Deixei a melhor parte por ultimo: o sorriso. Na verdade, não era um sorriso, não sei definir realmente o que era. Ao vê-lo, tive a certeza de que ela não sorria a muito tempo, talvez ela tenha perdido seu sorriso. Era um sorriso morto. Nesse momento, ela me viu. Quase caí pra trás quando aquele "sorriso morto" se transformou em um quase sorriso. Digo quase sorriso porque, ao sorrir, a dor em seu rosto aumentou. Ao sorrir, ela sangrou. Era um sorriso manchado de sangue. Parece que ela estava se esforçando muito pra tentar parecer normal. E o que mais me assustou foi o fato de eu ter sentido a dor. Foi como se o meu rosto também tivesse se rasgado em um quase sorriso. Pisquei, e ao fazê-lo, levei o maior choque da minha vida. Aqueles olhos eram meus. Aquela dor era minha. Aquele sorriso perdido e morto, era o meu sorriso. Eu não estava no parque, estava em casa. E não olhava uma menina. Olhava o espelho.

@twotwok_

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Ritual pré-descanso-da-massa-cinzenta e pós-descanso-da-massa-cinzenta

Deito na cama com a intenção de entrar no mais profundo sono e faço tudo, menos isso. É todo um ritual de pensamentos, giros, bufos, jogadas de cabelo, mexidas de travesseiro e caretas. Sem contar o desespero. Ah sim, porque o tempo vai passando e você não consegue dormir e você só tem mais  8 horas de sono e agora você só tem mais 7 horas de sono e agora só 6 e você tem que parar de contar quantas horas de sono você tem e dormir logo mas você não consegue dormir e agora só tem mais 5 horas de sono. Quando você finalmente consegue parar de contar as suas horas de sono, os pensamentos aleatórios invadem a sua massa cinzenta. É aí que você se lembra do ódio que tem por matemática, pensa em tweets perfeitos e fica repetindo umas vinte vezes, mesmo sabendo que vai esquece-los do mesmo jeito, lembra que esqueceu de retweetar aquele tweet que tava no seu favorites, percebe que esqueceu o aniversário de um amigo e lembra que no dia seguinte vai ter prova de física e que não sabe nada da matéria. Depois dos pensamentos aleatórios vem o nível depressivo. Você começa a imaginar coisas que não vão acontecer, inventar diálogos e momentos, começa a falar em voz alta e a gesticular, imagina as pessoas que você ama mortas, escreve cartas enormes e quando menos espera, tá chorando. Quando você finalmente consegue dormir já são 6:30 e você tem que ir pra escola. Ah, a escola. O inferno á que todos os humanos são obrigados a vivenciar durante metade da vida. Você acorda assustada porque teve a brilhante ideia de colocar That's What You Get como despertador, limpa aquele poço de baba da boca e percebe que tá atrasada. Faz a higiene, mal olha a roupa que tá vestindo, "arruma" o cabelo e parte pra luta estudantil (nem preciso comentar a falsidade, breguisse, chatisse, bafos matinais, faces sem lavar, etc). A manhã inteira os pensamentos "quero ir pra casa" "to com sono" e "odeio essa merda" dominam sua massa cinzenta, quando finalmente você se vê livre e chega em casa, "perde" o sono e passa o dia inteiro no computador e aí repete tudo. E é por isso que eu peço férias e finais-de-semana eternos. Chega de rituais, chega de regras, chega de dormir pensando que vou acordar atrasada no outro dia. Chega, chega, chega.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Pensamento interno

As pessoas vão embora e novas pessoas surgem, mas jamais substituem as antigas. É o ciclo da vida, as coisas mudam, o presente vira passado e o futuro vira presente. Eu aceito isso, só não aceito a forma como isso acontece. E não consigo me acostumar, por mais comum que isso se torne. As pessoas mentem, se machucam, fingem não se importar. E depois de um tempo, o que parecia o fim do mundo, se torna um novo começo. Mas o problema é que isso demora pra acontecer. Demora demais. Aliás, existem aqueles momentos em que a gente jura que nunca vai acontecer. Que nunca vai mudar, nunca vai acabar, que sempre vai doer. Mas querem saber? Nunca e sempre são palavras fortes demais. Talvez você continue lembrando de como doeu e talvez até doa um pouco. Mas, depois de um tempo, a dor vai diminuir, e por mais que não seja esquecida, será guardada bem lá no fundo. Terá dias em que você irá desenterra-la, admira-la e até senti-la, mas você irá conseguir guarda-la de novo e é isso que importa. Sobram saudades, lembranças, sorrisos e lágrimas.  Depois de um tempo a gente ri dos nossos "problemas" do passado. No momento parecida que o chão ia desabar, e depois de alguns anos, os problemas se tornam engraçados. Sem sentido, né? Aliás, uma das únicas coisas que eu tenho certeza é que o ser humano não faz sentido. Mas o fato de não termos sentido, não faz com que paramos de nos amar e sofrermos por nós mesmos. Não acho que a vida tenha lógica, nós nascemos, sofremos, lutamos e quando finalmente conquistamos alguma coisa, morremos. Mas quem sou eu pra achar alguma coisa, não é mesmo? A vida é assim, amarga e doce, boa e ruim, 8 e 80, mas nem por isso deixamos de vive-la.


@twotwok_

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

desculpa se eu nasci

E ai gente, eu to meio enjoada de fazer textos depressivos e mimimi e o caralho a4, enjoada de escrever certo, com parágrafo, letra maiúscula etc etc. Aliás, essa coisa de parágrafo e letra maiúscula me lembra a minha professora da 4ª série fazendo ditados, uma vez ela falou: parágrafo letra maiúscula: era uma vez... E eu comecei a ESCREVER parágrafo letra maiúscula, etc etc. Sim, eu era uma criança com problemas. A minha intenção era escrever sobre como eu não consigo mentir, mas agora comecei a falar da minha professora da 4ª série né? Provavelmente vocês não tão entendendo porra nenhuma, mas uma coisa eu sei que vocês entendem: eu odiava a minha professora da 4ª série. Primeiro que era a MESMA professora o ANO INTEIRO, a mesma voz, as mesmas broncas, a mesma cara feia. Era tipo a minha mãe. E tipo... duas mães é demais né? Mas enfim, chega de falar da minha professora porque ela não merece tanta atenção. Sabe, eu não entendo esses estudantes que quando passam na faculdade ligam pros professores pra agradecer. Se fosse pra mandar tomar no cu, até que ia, mas AGRADECER? Sério, não entendo. Mas voltando ao assunto (que assunto?) sobre mentiras: eu odeio o fato de não conseguir mentir. Eu começo a rir, roer as unhas, fazer cara de débil mental, babar, desviar o olhar e qualquer ser percebe que eu não to falando a verdade. Tudo bem que mentir é ruim e tal, mas e se um dia eu precisar? E se um dia entrarem assaltantes na minha casa e eu precisar mentir que não sei onde tá o dinheiro? Gente, é sério. Uma pessoa precisar saber mentir pra se dar bem na vida. Eu não consigo mentir, ou seja... A coisa mais linda é quando a pessoa diz "eu sei que você tá mentindo, não enrola" e eu respondo "aaaaaah eu não to mentindo *baba escorrendo*". Além de não saber mentir, eu não sei fugir da pergunta. Resumindo: ou eu falo a verdade ou eu falo a verdade. O que no caso é uma coisa péssima no meu relacionamento com os meus pais. Tipo: natália você limpou a casa? Eu: limp... o que vai ter pra janta? Mãe: ta, você não limpou. Sabe, é uma coisa broxante. Mais broxante que isso só coca cola sem gás. Mentir e esconder são coisas diferentes, mas isso não me ajuda muito porque eu também não sei esconder. No fim eu sei que eu vou ter uma vida de merda e acabar morando sozinha com 13 gatos, sem sexo, família e amigos. O que no caso me faz lembrar da minha professora da 4ª série.... Enfim, a minha mente é um loop infinito e eu sei que vocês já cansaram de ler isso aqui. Tchau então e tomara que um dos meus futuros gatos (no caso animais mesmo) seja preto, pelo menos a cor eu posso escolher né? Tipo, eu odeio gatos. Mas como toda velha sem sexo tem gatos... Acho que vou acabar tendo também. É regra: ou você tem sexo, ou você tem gatos. Qual o opção mais viável pra uma pessoa que não consegue mentir? Gatos, óbvio. Tá, o que que eu to falando? Tchau, juro que agora terminou.








Enganei o bobo na casca do ovo, não terminou não. ---> sou o tipo de pessoa que passou dos 5 anos e ainda canta enganei o bobo na casca do ovo.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

O fim.

Como você vai me entender, se nem eu mesma me entendo? Você nunca entende e nunca vai entender, não sou boa com explicações. Acontece que você quer explicações e quer entender. Eu to cansada, sabe? Não, você não sabe. Não aguento mais. Mas acontece que mesmo não aguentando, eu continuo tentando. O que só me deixa mais confusa ainda. Eu sou um quarto. Um quarto bagunçado e sujo. Sabe aqueles quartos que não se sabe onde as coisas estão? As roupas estão jogadas pelo chão, restos de comida estão por todas as superfícies possíveis e os móveis estão todos quebrados, dilacerados e sujos. É assim que eu me sinto: dilacerada e suja. Mas eu tento arrumar o quarto, tento limpa-lo. Todos os dias, eu limpo ele. E todas as noites, ele se suja novamente e volta a ficar como antes. Acontece que eu já não aguento mais limpar, não aguento mais olha-lo, sorrir e pensar: "dessa vez ele continuará limpo". Eu percebi que o quarto será assim pra sempre, não importa o que eu faça. Percebi que se eu quiser um quarto limpo, terei que arranjar outro. Terei que me mudar. Mas é difícil abandonar a minha bagunça. Ela me atrapalha, não suporto mais ela e mesmo assim... Eu a amo. A amo e não consigo viver sem ela. Mas ultimamente, eu venho me cansando dela. Você entende? Não, você não faz a mínima ideia. É como se eu tivesse me cansado e mesmo assim não conseguisse largar. Como se, mesmo cansada, eu não tivesse me cansado. Eu quero, mas não quero. Eu não quero me importar, não quero mais sofrer. Eu quero acordar desse pesadelo. Tento me entender, entender minhas atitudes... Mas não consigo. É difícil fazer alguma coisa quando tem medo de si mesma, é difícil tomar alguma decisão quando não tem certeza dos seus atos, quando não se confia em si mesma. É difícil. Eu me pergunto o que eu fiz de errado e a única resposta que encontro é tudo. Eu lembro quando nós prometemos que iria ser pra sempre. Você também lembra? Eu me sinto fracassada e acho que esse sentimento nunca vai ter fim. Aliás, parece que nada vai ter fim. Parece que essa coisa ruim que eu sinto vai ser pra sempre. Mas se as coisas boas acabaram, as coisas ruins devem acabar também, né? Por favor, me diga que essas coisas ruins vão acabar. Por favor.

Tumblr_lcyu38kfjw1qbju4oo1_500_large


@twotwok_.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Por que?

Por que eu só erro? Por que eu só sei fazer merda? Por que eu só machuco as pessoas que eu amo? As pessoas que eu mais amo? Por que eu não consigo ser uma boa amiga? Por que eu só te machuco? Por que eu continuo fazendo as coisas, mesmo sabendo que só vai foder tudo? Por que eu te faço chorar, mesmo sabendo que te ver chorar dói em mim de uma forma inexplicável? Por que eu sou assim? Porra, por que? Por que eu não consigo acertar? Por que eu te faço sofrer? Por que eu continuo tentando? Por que eu não consigo viver sem você? Por que eu não tenho coragem? Por que eu sou tão fraca e tão dependente? Por que  tem que ser assim? Será que nunca vai ter fim? Será que isso vai corroer a gente pra sempre? Não vê que eu não sou boa pra você? Sabe o que eu deveria fazer? Deveria fazer você perceber que eu não sou boa pra você. Mas eu nunca faço o que deveria, não é mesmo? Pra quem eu vou correr se eu te perder? Quem vai ficar a madrugada inteira conversando comigo? Quem vai me mandar fotos dos meninos mais tesões do we heart it? Quem vai ser o meu chão? Quem vai me segurar quando eu estiver caindo? Eu faço essas perguntas como se outra pessoa pudesse fazer isso além de você, né. Você não confia mais em mim. Nem eu mesma confio em mim. Aliás, aconselho ninguém a fazer isso. Confiar em mim é suicídio.

Tumblr_lcvagy8dvp1qej43vo1_500_large

@twotwok_

sábado, 20 de novembro de 2010

Um grande amigo.

                             72586_121378254589363_100001515672105_136840_6693369_n_large

Peguei o papel nas mãos pela terceira vez na ultima hora. Ultimamente era sempre assim, pegava, lia, guardava, pegava, lia, guardava. Por que diabos eu não conseguia parar de fazer isso? A merda do papel já estava todo molhado e as palavras eram quase ilegíveis, borradas do jeito que estavam. Mas isso não importava, porque eu havia decorado as palavras daquele bilhete a muito tempo. Estavam gravadas na minha mente. Gravadas não, digamos que estavam coladas, pregadas, gritando lá dentro. Olhei as palavras e imaginei onde você estaria quando as escreveu, em qual posição você estava e qual seria a sua expressão. De todas as palavras, a que mais me chamou a atenção foi "sempre". Lê-la doeu. Me perguntei onde você estava, o que estava fazendo, o que estava pensando. E  a pergunta principal: se você lembrava. Não recebi nenhuma resposta, óbvio. Aliás, quase nunca recebo respostas. De uma hora pra outra, me vi amassando o bilhete e jogando-o na lata de lixo. Fiz isso em um surto de frustração e ódio. Fiquei alguns segundos olhando a lata de lixo até pega-lo de volta e desamassa-lo. Fiquei encarando aquele bilhete cheio de rugas, toda amassado e quebrado. Me identifiquei com ele, era assim que eu me sentia: enrugada, amassada e quebrada. Tentei faze-lo voltar ao normal, mas o caralho do bilhete continuou amassado. Dobrei-o então, com todo o carinho do mundo, e guardei-o. Não voltei a olha-lo depois. Ele, assim como eu, estava amassado e precisava ficar sozinho. Decidi deixá-lo lá, tomara que ele consiga se desamassar sozinho. Tomara que eu também consiga. Daquele dia em diante, o bilhete já não era apenas uma lembrança, ele era um amigo.

@twotwok_

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Angústias.

                    Tumblr_lc4fz9he921qb1aypo1_500_large
Senti uma angústia no peito. Ela era familiar, mas me assustei ao senti-la, como sempre. Fazia um bom tempo que ela não aparecia e me iludi pensando que não apareceria mais. Pois bem, me enganei. Era como uma comichão aqui dentro, me corroendo, sangrando. Um pouco da culpa era minha, vivo abrindo minhas cicatrizes, fazendo-as sangrarem. Decidi tomar um banho, talvez ajudasse. Entrei no chuveiro e coloquei uma música pra tocar, pois um banho sem música não é um banho, certo? A música só me fazia sangrar mais ainda, mas era bom. Comecei a chorar, já não sabia mais distinguir lágrimas, água e sangue. Meu sangue não era vermelho, na verdade ele não tinha cor. Era vazio. Relembrei tudo. As lembranças eram como tapas na cara, uma atrás da outra. As palavras gritavam e faziam caretas para mim. Relembrei madrugadas, manhãs, tardes e noites. Relembrei momentos, risos, confissões e dores. Mas de todas as lembranças, as que mais doíam, eram as das palavras. Tentei descobrir o momento exato em que tudo mudou, talvez assim eu conseguisse perceber o erro. Não consegui, como sempre. Terminei o banho, e admito que me sentia mais leve. Só um pouco, mas mesmo assim, estava mais leve. Me vesti e resolvi dormir. Na verdade, não iria dormir, pois não iria sonhar. Por enquanto, os sonhos não estavam ao meu alcance. Iria apenas me deitar, fechar os olhos e fugir. Fugir de mim. Fugir da pessoa na qual me transformei e tentar encontrar a pessoa que eu era antes. A pessoa que eu era antes de você aparecer. Sabe qual foi o momento mais difícil? Foi o momento em que resolvi parar de tentar. Não desisti, nunca desistiria de você. Mas parei de tentar, não aguentei mais. E isso não significa fraqueza, muito pelo contrário, significa que fui forte o bastante para tentar viver sem algo que amo. Fechei meus olhos e abracei o travesseiro. Talvez, na inconsciência, iria conseguir ficar normal. Digo normal porque a palavra bem, assim como os sonhos, ainda não estava ao meu alcance. Mas um dia ela estará, e é isso que me mantém aqui. Um dia eu irei parar de apenas existir e irei viver. E esse, com toda a certeza do mundo, será o melhor dia da minha vida.

@twotwok_

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Relembrar

Ontem à tarde, cheguei em casa exausto. Fui tomar um banho e me deparei com uma pequena caixa guardada no armário. Naquele momento, não me recordava de onde aquela pequena caixa vermelha teria vindo. Mas como minha curiosidade sempre fala mais alto, fui abrindo-a lentamente. Havia vários papéis, e um deles me chamou a atenção. Era uma carta. Uma carta que tinha escrito a mais ou menos um ano. Nela estava escrita, todos os sentimentos que sentia por uma pessoa. Uma pessoa que tinha sido muito importante para mim. Na verdade, ainda é. Sei que aquelas palavras escritas por mim, nunca serão lidas por quem eu desejo. Mas sempre terei vontade de reler, pois me lembro de como éramos felizes naquele tempo. Mesmo que essa nostalgia me faça sofrer, as lembranças boas sempre virão à tona, e irão me fazer sorrir. De alguma maneira, vou erguer minha cabeça e ficar feliz.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Coisas antigas.


Um dia tudo muda, e pra mim, isso não é bom. Parece que tudo na minha vida mudou. Eu, as pessoas, o tempo, as coisas, tudo. As mudanças são novas e consequentemente nos fazem perder as coisas antigas. Eu amo as coisas antigas, e isso fode tudo. Eu não gosto de mudanças, desculpa. Eu não pedi pra nada mudar, mas mudou. E no fim, sou obrigada a me contentar com a saudade. Sentir saudades de alguém é ruim, mas algo pode ser feito, você pode ver a pessoa. Sentir saudades do passado, das coisas antigas, dói muito, porque não volta. As mudanças podem ajudar, podem ser boas, mas e se eu não quisesse que nada mudasse? E se eu achar que estava perfeito? E se eu quiser voltar no tempo? Voltar e continuar lá, parada, revivendo tudo inúmeras vezes e nunca mais voltar ao presente. Por favor, me diga como eu faço isso? Eu preciso saber.

Até qualquer dia, @twotwok_.




quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Anything


Não sei mais o que fazer. Prefiro até não pensar, mas é impossível. Há algo que me fere todos os dias, pouco à pouco. Esse sentimento que me amordaça, está me matando. Me colocando em situações que não gostaria de estar. Mas infelizmente, é impossível controlá-lo. Tem seres humanos que falam que é besteira. Besteira. Para quem nunca amou, nunca viveu, pode ser besteira sim. Acho que vou parar por aqui, pois minhas forças estão sendo digeridas pelo ciúmes.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Entre essas belas estrelas.

Um dia as pessoas que amamos partem, isso é um fato, uma coisa a que todos nós
deviriamos estar acostumados.  Mas não estamos, a morte chega e não podemos fazer nada. A unica coisa que nos resta, é lembrar do que se perdeu,  do que já não volta mais. Olhamos, sem reação, a partida das pessoas mais importantes da nossa vida.
Choramos, choramos e choramos. Lágrimas de uma dor tão intensa, que que chega a ser insuportável.
Dói muito ver aquela pessoa que esteve ao seu lado, que te amou, te protegeu, te abraçou e te fez feliz, sem vida.
Dói saber que alguém que você precisa para sorrir não está mais segurando sua mão, e o unico consolo será olhar para o céu e pensar que talvez, lá em cima, essa pessoa esteja te olhando também. Metade de você se desprende, e a solidão e a dor preenchem o vazio que ficou.
Depois da dor, o arrependimento nos assombra. Nos arrependemos de não ter dito “eu te amo”, choramos pelos abraços que não foram dados, abraços que nunca terão chances de existir. E o que nos resta? Resta a lembrança, resta a inutil esperança de abraçar o travesseiro antes de dormir, imaginando ser uma pessoa que você nunca mais irá sentir com você.
Não podemos evitar a morte, a unica coisa que podemos fazer é viver intensamente e ficar ao lado das pessoas que amamos, porque um dia, não poderemos mais fazer isso.

sábado, 18 de setembro de 2010

Man of can


Do que adianta estar vivo, se estou simplesmente morto por dentro? Sim. Meus sentimentos sofreram com grandes feridas, que se tornaram irreversíveis. Agora, sei como é ter a sensação de ser um homem de lata. Não sentir raiva, ciúmes, ódio, dor, amor. Sempre pensei que se não sentisse completamente nada, não sofreria e seria feliz. Mas estava enganado. Sinto ainda uma sensação: um vácuo em meu peito, que se torna cada dia mais grande ao longo de minha vida. Agora, só me resta esperar para saber se um dia poderei voltar a viver.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

As pessoas mudam?



E agora. O que irei fazer? Estou confuso para responder neste momento esta indagação criada por mim mesmo. As pessoas não podem pedir o perdão duas vezes, pois elas não mudam. Elas irão ser as mesmas para sempre. E então, fico pensando no que fazer pois se deixar-me levar pelo coração e aceitar das desculpas novamente, estarei na corda bamba, pois a qualquer momento ela poderá errar comigo novamente. Ela estará acostumada em pedir desculpas, e também de ouvir que eu aceito abertamente. Preciso deixar meu lado sentimentral um pouco afastado, e ver pelo lado racional. Prefiro viver sem ela, ou perdoá-la para ela errar comigo outra vez?

sábado, 4 de setembro de 2010

Explosão inevitável


A dor no meu peito aumenta cada vez que penso na hipótese de tudo estar em minhas mãos e em minha mente. Isto não tem coerência, pois não tenho poder para isso. Não tenho poder sobre mim mesmo, como terei poder sobre alguém? Apenas comando o horário de minha explosão. Não sei como não explodi ainda, pois todas as mágoas e rancores que tenho, estão guardados em meu peito. Há muita coisa para falar mas preciso confiar mais no ser humano, mesmo sendo uma tarefa difícil atualmente. Aquela vontade de liberar tudo para fora me consome, mas tenho que ter paciência, e um dia tudo será revelado e tudo se encaixará.

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Imaginação

Se eu disser que consigo sentir pessoas que estão a quilômetros de mim, mesmo nunca as tendo visto, vocês acharão loucura? E se eu disser que daria quase tudo para receber apenas um abraço, um abraço que não posso ter, vocês dirão que não tenho ambição? É tão angustiante esticar os braços e não conseguir sentir nada, tão cruel envolver os joelhos na esperança de que esses sejam quem você queria com você, tão frustrante fechar os olhos e abraçar meu travesseiro todas as noites antes de dormir. Aprendi a me satisfazer em ver uma foto e abraçá-la com o olhar. Sinto falta do que nunca tive, nunca fiz, nunca vi. Sinto falta de coisas que não aconteceram, coisas que não existiram, só são reais na minha mente,  dos momentos que imaginei sorrindo, dos encontros,  despedidas,  declarações e desabafos.  Tenho saudades do meu mundo imaginário, onde você me abraçava e dizia que me amava todos os dias. Choro ao acordar, quando vejo que nada daquilo é real e descubro que a realidade dói. É possível dizer que os melhores momentos da sua vida são imaginários e vazios? É normal dizer que você vive mais quando imagina do que quando não faz isso? Ou melhor, você não vive, apenas existe. 

sábado, 28 de agosto de 2010

Perder algo que nunca se teve.



Olho para minhas mãos e não vejo nada ali, ninguém a segura. Olho para o meu lado e não há ninguém a me acompanhar. Então percebo que te perdi, e é como se o meu sangue virasse água, como se o chão desaparecesse, metade de mim se foi com você. A realidade bate em mim e grita que estou sozinha. Meus ouvidos doem ao ouvir isso, meus braços doem ao não envolverem você, e me dou conta de que não consigo andar, não consigo seguir em frente, apenas fico parada, olhando para trás na esperança de que você volte. Mais uma vez a realidade grita, ela diz que você não vai voltar, que você já me esqueceu. E as lembranças surgem, como se não bastasse o meu sofrimento. Passado, presente e futuro se juntam na missão de me fazer sangrar. Pois bem, eles conseguiram. Após sangrar por horas, me pergunto por que não estou morta. Me dou conta de que desejo isso, desejo a morte, porque viver sem você é pior do que a morte, é pior, muito pior. Tento andar, tento olhar para frente, mas não consigo, não tenho forças. Então me deito no chão e sussurro pedindo que alguém me salve. Por favor, me tirem daqui, me façam esquecer, por favor, por favor. O que me resta agora é esperar. Tomara que alguém tenha escutado o meu sussurro, tomara mesmo.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Minha verdadeira esquisitice, ou não



Você já pensou se nossos olhos enxergassem só o interior das pessoas? Na verdade, acho que meus olhos enxergam, e se perdem nas coisas ruins que ele vê. Ódio, rancor, mágoas. Todos eles difundidos em único sentimento não identificado. Todos espelhos do mundo que cercam a humanidade, enxergam apenas pessoas. Pessoas. Ou animais? Animas. Animas por as vezes serem tão irracionais e não reconhecerem o que sentem e irem já denominando-o sem pensar. Posso ser até louco de estar falando que vejo os sentimentos no interior das pessoas, mas isto não é um dom. É você apenas prestar atenção no mundo, e ver o que está acontecendo com ele, que você enxergará como as pessoas estão sendo patéticas e dominadas por sentimentos ruins.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Minha mente errada



As vezes minhas ações não correspondem aos meus pensamentos. Não, não posso dizer que elas são feitas sozinhas, mas não feitas com o botão de irracionalidade ativado e minha mente. Não tenho aquela paciência e aquele modo de pensar antes de fazer alguma coisa. Me arrisco completamente. Todo humano tem seu lado irracional não é mesmo? Tenho certeza de que não sou o único que me arrependo das minhas ações, após de ter feita-as. Claro, não são todas elas, mas a maioria. E também, acho que a maioria das pessoas que pensam antes de falar, as vezes desistem e guardam para si mesmo e isso é completamente horrível. Aquela fúria que está em sua mente, te consome aos poucos e após, você está dominado por ela.

sábado, 21 de agosto de 2010

Seus lindos olhos verdes



Queria pelo menos acreditar um pouco em você. As suas palavras não se traçam corretamente. Elas me confundem completamente. Sempre ouvi você falar em meu ouvido, que vai me amar para sempre, mas não vejo isso em seus belos olhos verdes. Mesmo assim, eu amo você e não vejo meu futuro longe de ti. Sabendo que eu estou errando de não falar nada para você, eu só consigo viver ao teu lado. Minha vida não tem sentido algum quando você não está por perto. Acho que estou mais que apaixonado, estou obcecado, e é melhor eu parar por aqui. Mas eu preciso fazer algo para as coisas mudarem, se não, elas permanecerão como estão.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Oh, dead



Cada minuto que passa do relógio, é um minuto mais próximo da minha morte. É um minuto a mais longe de você. É um minuto como todos os outros, mas que para mim, não foram vividos corretamente. Depois de algumas horas, me dei conta de que não adiantaria eu ficar me lamentando e vi, e dei-me conta do mundo que estava perdendo. Ele estava lá fora, me esperando. Me libertei das minhas trevas e fui tentar ser feliz. É, ao menos tentar. Passei a dar valor aos milésimos que passavam apressadamente em meu relógio. Os milésimos que um dia poderei pensar comigo mesmo e falar: 'Eu vivi intensamente os milésimos de minha vida. Meus milésimos.' Acho que sentirei orgulho de mim mesmo. A vida aqui passa tão rapidamente, que nem me dei por conta de como o tempo passou. Mas só sei que vivi. Mesmo perdendo alguns minutos que soavam no meu relógio, acordei para a vida. E foi aquele relógio, que me alertou e me mostrou o que eu estava perdendo.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Mortos.

Eu preferiria um milhão de vezes sentir raiva, do que magoa. A raiva passa, por mais que ela seja intensa, ela passa, sempre passa. A magoa, por menor que seja, nunca vai embora, ela sempre estará com você, para te lembrar de momentos que você não gostaria de lembrar. E quando se é magoado ao ponto de não encontrar consolo nem nas lágrimas? O que a gente faz, quando percebe que nunca vai voltar, que é impossível voltar? Algumas pessoas são tão boas em esconder, em fingir estar bem. E quando você não consegue fingir? Quando simplesmente fica estampado na sua testa que você está um caco? São tantas perguntas, e tão poucas respostas. A minha unica certeza, é que a magoa é eterna, porque sei que o que eu estou sentindo nunca vai passar. Porque é tarde demais, já era para ter passado, e não passou. Sabe quando você é magoado e depois pensa que está bem, que já passou. Aí você lembra de tudo e chora de novo, e descobre que não acabou, que nunca vai acabar? É isso que eu sinto, e é isso que me dá a certeza de que nada é como a gente espera, como a gente quer. Porque o que eu realmente queria que nunca acabasse, acabou. E o que eu queria que nunca tivesse começado, não só começou, como será para sempre. Eu estou morta. E já faz algum tempo que morri. Basta saber se haverá ressurreição, ou pelo menos, reencarnação. Você é quem me dará a resposta, minha vida está nas suas mãos. Ou talvez eu fique sem resposta e só receba o seu silêncio, se isso acontecer, não vou ficar surpresa, porque mortos são capazes de se surpreender. Apenas abaixarei a cabeça, e farei uma coisa que já estou tão acostumada a fazer, que é mais fácil do que respirar: chorar. Mas não chorarei lágrimas de sangue, porque mortos também não são capazes de sangrar, mortos só amam. Amam tanto, que morreram, por não aguentar o amor.


Tumblr_l66ezxjwoz1qbkdtzo1_500_large


@twotwok_


sábado, 14 de agosto de 2010

Se é pra ser assim


Não vou mais lutar contra o meu destino. Contra o que não me pertence. Não tenho forças, poderes e armas para lutar. Seria derrotado. Preciso viver minha vida como ela quer, não como eu quero. Não mando nela, e ela não me pertence. As pessoas sempre me diziam para não desistir, pois quem quer alguma coisa, sempre alcança. Percebi que isso não acontece comigo. Não acontece com todas as pessoas. O que não é pra ser,  não será, pois não tenho forças para intervir. Digo isso, porque lutei demais e não adiantou. Acho que mesmo eu abrindo mão de tudo, não sou um derrotado. Vou deixar que os ventos da vida me levem para onde ela quiser, mesmo me levando sem rumo e para lugares que não conheço. Se meu destino é esse, ele será cumprido.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

What is my soundtrack?



Vivo minha vida como a trilha sonora daquela novela. Desde meu nascimento, até a minha morte. Meus momentos tristes, são acompanhados com aquelas músicas depressivas que nos fazem ficarmos pior ainda do que já estamos. Em meus melhores momentos, participam todas as músicas do disco, independentes de tristes ou felizes, pois elas sempre tocam no mesmo ritmo, na mesma sintonia e na mesma letra. Tenho certeza de que minhas músicas tristes, não são literalmente tristes. Eu faço-as tristes, pois estou triste, e tudo o que vejo está morto, abandonado e arruinado. Das mais belas paisagens, meus olhos enxergam coisas ruins. Das mais belas músicas que escuto olhando para o horizonte, faço-a delas depressivas e absolutamente tristes. Sou eu que deixo elas assim, não elas que deixam assim comigo. Mas tenho certeza também de que queria que na minha vida, tocasse o mais belo disco de rock mesclado com a suave e bela música clássica. Enquanto isso, o disco de minha vida toca, e eu não sei em que ritmo está.

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Help me fly



Queria saber voar. Desvendar novos caminhos, novas paisagens, novas experiências. Voar o mais alto possível e até onde eu quisesse. Ver o sol nascer de outra forma. Ver a lua brotar da imensa escuridão da noite do campo, juntamente com as estrelas, suas aliadas. Queria. Mas já que não posso, deito e minha cama e observo o céu, e me transporto para lá. Mesmo em sonho, sinto o vento, o frio, e o prazer de estar lá em cima. Até que não acordo, vou ficar viajando no céu, em outra dimensão.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Não sabia da realidade

Sempre achei que perdoar, era simples e sem importância alguma, como chorar, gritar, brigar... Mas quando tive que passar por isso, acho que falhei. Claro. Não seria o fato de não estar preparado, pois tenho que esperar tudo dessa vida, mas aí, estava sem armas. Nunca pensei que meus erros praticados iriam dar nisso. Palavras pequenas e quase sem valor, atingem o coração de uma pessoa. Mesmo não querendo. Não eram tão grandes erros, mas errei. Pensei que simples desculpas adiantariam, mas acho que não funcionou. Fiz isso, porque você fez comigo também, mas isso foi uma atitude MUITO imatura da minha parte, mas o ser humano é assim. Erros e acertos acontecem. Parti para a falta de maturidade novamente, e passei à ignorar-te. Mesmo sabendo que fiz minha parte de pedir desculpas, ainda sinto aquela culpa pulsar no sangue que circulam nas minhas veias e vão para meu coração. Soube agora, que perdoar é difícil, mas ter o perdão é mais difícil ainda.

domingo, 8 de agosto de 2010

Error



Meu medo de errar, me faz errar.

Pedimos desculpas por não termos postado por quatro dias. A partir de amanhã, colocaremos as novidades aqui. E se você é um pai, feliz dia dos pais pra você.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Palavras mortais.

Você me magoou, pisou em mim, me humilhou e me fez chorar. E estou fingindo não perceber, estou engolindo tudo quieta. Mas vai chegar uma hora, que eu vou explodir, de tanta magoa. E ai será tarde demais. Eu vou chorar, talvez uma noite toda, sem parar, de novo. Talvez uma semana, um mês, um ano. Mas eu já estou acostumada, as lágrimas são minhas melhores amigas. E talvez, você também chore. Mas eu sei, que depois de um tempo, você vai parar, e eu vou continuar. E logo você vai esquecer, e enquanto eu choro por você, você já terá me esquecido. E claro, um dia, vou parar de chorar também. Mas lágrimas são como facas, elas machucam, matam, fazem sangrar, deixam marcas. Mesmo que um dia elas cessem, sempre haverá as cicatrizes. E, ao contrário de você, eu nunca vou esquecer, porque as minhas cicatrizes sempre me lembrarão. Me lembrarão do dia em que você me perfurou com palavras e me fez sangrar lágrimas. Mas eu vou ficar bem, sempre fico. Cicatrizes são marcas de vitória, e eu venci a dor. A dor que você me causou. Mas mesmo assim, nunca irei te odiar, nunca conseguirei, porque um dia, eu te amei demais para isso ser possível. Mas para mim, a magoa é bem pior que o ódio, porque o ódio, um dia, acaba. Mas a magoa pode ser guardada para sempre, a magoa traz lembranças, lembranças de uma batalha cheia de lágrimas, cicatrizes, facas e dor. Lembranças que me fazem, e sempre farão, sangrar.


X_6a2a3f83_large


xx, @twotwok_

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Prefiro minha ilusão



Sinto que estou te perdendo aos poucos, mas não quero acreditar nessa hipótese. Prefiroficar pensando no momento em que iríamos nos encontrar. Você viria correndo, e eu também. Iríamos cair no chão como dois idiotas, e começar à rir. Depois iríamos tomar um sorvete e ver a linda vista do pôr-do-sol lá no horizonte. Iríamos fazer tantas coisas juntos. Já estava tudo planejado, e você sem querer, eu acho, estragou tudo completamente dizendo que não me amava mais. Preferia que tivesse mentido, pois queria você ao meu lado... Por isso, agora prefiro só pensar, e esperar por você até eu adormecer vendo a noite nascer. Tudo agora é ilusão, e pra sempre vai ser, pra sempre.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

A batalha pela felicidade - cap 6

Capítulo VI - Eu preciso de você, aqui.
Katerine fica com as pernas bambas. Fica simplismente sem reação, sem nenhuma resposta.
- Kate?
- Eu. Eu estou simplismente meio que chocada. Não esperava isso. - ela ri - Mas mesmo com esse pequeno tempo que nos conhecemos. Eu acho que você foi feito para mim, e eu para você. Soube de sua existência à um dia, e não passava pela minha cabeça que eu iria me apaixonar pela primeira vista. Erick, eu...
- Eu? - ele fica ansioso aguardando a resposta - Fale Kate!
- Eu aceito!
O mundo novamente parou. Aquela sensação novamente voltou. Era uma explosão de felicidade no psicológico dessas duas pessoas que ainda poderiam ser até desconhecidas uma da outra. Mas o amor venceu.
- Claro que aceito! Mas agora vamos tomar o café. Não gosto de café frio. - ela ri falando em um tom de ironia - Mas Erick. Você trabalha nas forças armadas... E se precisarem de você, não sei, você vai me deixar aqui?
- NÃO! Claro que não. Nunca vou te deixar. Isso seria a maior bestera da minha vida. - ele fala para Kate, mas sem firmeza na voz - Eu espero.
- Erick, agora que estamos namorando, acho que estamos no conhecendo cada dia mais... Então seria quase que um choque para mim se você me deixasse. Mas acho que agora não é o momento certo para falarmos disso não é mesmo?
- Pois é. - ele ri - O café está bom?
É. Estes eram os pequenos assuntos daquela longa manhã que eles passaram juntos. Uma das mais importantes para eles. Mas havia um problema. O futuro. O futuro era uma das coisas que mais atordoavam aquele lindo casal naquela manhã, e no próximo ou próximos dias da vida deles.
- 'Maybe I don't really wanna know, how your garden grows' - era o celular de Erick tocando 'Live Forever', umas das músicas preferidas dele.
- Alô?
- Olá Erick. É Gardon, sub coronel. Estou ligando para te avisar que suas férias terão que ser adiadas, e você terá que ir para outro lugar também. É uma Missão de Paz para o Haiti. Desculpa pelo pequeno imprevisto.
- Não! Não posso! Não posso!
- Erick, você está atordoado só por que vai perder suas férias. Mas se acalme. Amanhã ligo à você. Até mais.
- Não! Não desligue! - a chamada cai.
O que era previsto acontece. Erick foi chamado para retornar às F.A.
- Erick, o que aconteceu? Me fale! - Kate fica assustada.
- Amor. Eu... Eu vou ter que ir embora.

to be continued...
caso você perdeu os capítulos anteriores, clique aqui e leia

quarta-feira, 28 de julho de 2010

O mundo das diferenças

Neste louco e gigantesco planeta que chamamos de Terra, existem bilhões de pessoas. Todas elas, nasceram da mesma forma. Alguns gostam de rosa, e outros de azul? Ok, pode não ser bem assim, mas todos nós temos uma certeza: ninguém é igual a ninguém, todos nós somos diferentes. Tipos musicais, modo de pensar, cores, manias, vestimentas, e inúmeras coisas não citadas aqui, formam a personalidade e as suas diferenças no ser humano em relação aos outros. Definitivamente, todos nós temos gostos diferentes. Podem até serem parecidos, mas não é por isso que seremos denominados iguais. Podemos ser iguais internamente, mas no nosso psicológico extremamente diferentes. Há alguns dilemas no cotidiano. Será que realmente os opostos se atraem? Acho que bastante gente já pensou nisso. Ela gosta de sertanejo, ele já gosta de um rock. Ela já é mais comportada, ele então, é radical. Pessoas com pensamentos extremamente contrários, pode se atrair sim, na minha opinião. No início, acho que é até complicado, pois seria um fase mais de adaptação. De saber respeitar e porque não até gostar do que o outro gosta. Mas a base para que tudo funcione num relacionamento de pessoas com gostos diferentes, é o respeito pelo gosto do outro. Depois disso, experiências e conhecimentos vão sendo trocados, sendo assim, vai vivendo e aprendendo com o outro.Sendo amigos, ou não, o gosto dos outros deve ser respeitar, e não precisa ser gostado e nem principalmente adquirido.
Se em algum lugar, você descobre que irá se apresentar uma banda que você detesta, não dance, não festeje, não participe se não quiser. Apenas tente aguentar aquela música que você acha insuportável para seus ouvidos. Não é fácil, mas também não é impossível.
Diferenças são inevitáveis entre duas pessoas. Mas essas diferenças que algumas enxergam no outro, sendo atraído e até mesmo se apaixonar. Se o gosto ou o estilo é respeitado, os opostos se atraem sim.
Pauta para a Edição Opinativa - Projeto Bloínquês

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Eram seus dezoito anos

Querido amigo Vicente
Então ia ser hoje meu amigo. Você cresceu e estava prestes a virar um homem. Tu terias completado seus dezoito e mais esperados anos, mas por causa de um motorista imprudente e alcoolizado, te levou de nós. Nunca esperávamos que isso poderia acontecer em pleno aniversário. A saudade já é imensa. Estamos fazendo essa carta à você, e vamos colocá-la dentro de seu túmulo. É. É uma grande idiotice eu acho, mas eu e toda a turma da escola, fizemos questão de fazer. Essa é a nossa homenagem nesse dia que poderia ter sido muito especial. Então, espero que você veja e leia nossas palavras escritas neste papel. E proteja tua família, eles estão sentindo imensa falta de ti, e nós também estamos.Você foi um grande amigo Vicente, meu melhor amigo. Obrigado por tudo. Enfim. Eu, Jason, Ana, e todos os seus amigos, te amamos muito mesmo e para sempre. Vicente, tenha um feliz e ótimo aniversário onde quer que você esteja. Parabéns.
Com enorme carinho, Turma 2D
Pauta para a Edição Carta - Projeto Bloínquês

domingo, 25 de julho de 2010

Acorde enquanto à tempo



Vivo no mundo das ilusões e dos sonhos, onde me sinto em paz comigo mesmo. Onde não há guerra, onde não há fome, onde não há mortes e injustiça. Parece até ser um mundo mágico, onde que em um piscar de olhos, todos os problemas da vida desaparecem. Penso até, como seria se o mundo das outras pessoas fosse como o meu. Cada um de bem com sua consciência, livre de mentiras, livre de injustiças, sendo um planeta onde outras pessoas iriam querer 'visitar'. Se o planeta imundo, que está fora e distante, fosse como o meu, tudo estaria melhor. Tenho medo de abrir os meus olhos e espantar-me com tanta poluição que meus olhos enxergariam, e meu pulmão sentiria.Tenho medo de poluir o meu mundo, pois quero deixá-lo como ele nasceu. Mas também, tenho medo de que a situação daquele planeta imundo piore cada dia mais e mais. E eu aqui, estava de mãos atadas, esperando que os outros fizessem.
Porém, venci meu medo, e fui para a batalha, mesmo sabendo que posso ser derrotado. Agora vivo a realidade, uma realidade digamos estranha. Mas e agora, não posso viver em dois mundos sendo que um é fictício demais e outro é realista demais. Decidi então, sair literalmente e para sempre do meu mundo, e optei por viver a realidade, e ajudar para que eu faça desse planeta aqui fora, um planeta como o meu. Quem dera, de que outras pessoas também saísse de seu planeta e viesse para esse batalhar comigo.
Acordei para a realidade com tempo ainda, então pense no que você está fazendo, pois poderá acordar tarde demais e perderá a batalha.

sábado, 24 de julho de 2010

Eu preciso de você quando amanhecer



Deito em minha cama. Fecho os olhos e fico na esperança de pelo menos estar ao seu lado, abraçar-te e beijar-te. Viver momentos com você, que nunca tinham sido vividos, pois estavam só em minha mente aguardando você chegar. Deitados no chão, estávamos olhando aquele lindo céu azul se escurecer para uma nova noite surgir e as estrelhas brilharem. Aquela vontade de que aqueles momentos vividos com você fossem vedade, me consumia. Eu precisava sentir sua pele, eu precisava sentir sua mão, eu precisava sentir sua boca na minha, mas não só agora, neste sonho perfeito. Mas sim, quando acordar-me. Você sorrindo para mim e me olhando com certeza timidez. Eu estava loucamente apaixonado por você. 'Eu te amo'. As três palavras que eu sonhava que você falasse para mim, você falou, mas neste sonho. Então ainda continua sendo um sonho para mim.
Acordo naquela transe psicólogica, assustado. Não conformando-me que tera sido só um unico sonho. Mas não vou desisitir, pois preciso de você aqui, olhando junto comigo para aquela janela, um novo dia nascer.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Amizade virtual


Pode até ser um assunto tanto quanto clichê, mas acho que é importante. Tem muita gente que pensa que a amizade virtual, é um tanto quando 'fria' e que não há como amar uma pessoa à mil quilômetros de distância. Quem tem essa opinião, não deve ter amado uma pessoa que está distante. Já quem ama ou amor se pergunta  porque não nascemos lá, perto deles.
Após um tempo, temos que entender que pode ter sido bom assim, pois com a distância você aprende a amar mais intensamente e confiar. Chega ao ponto de se sentir uma pessoa mais feliz quando fala com ela. É uma amizade como todas as outras, normal. Existem muitas amizades MAIS verdadeiras com pessoas que estão distantes, do que o amigo que está praticamente ao seu lado. Não estou desvalorizando nenhuma desses 'tipos de amizade', pois eu acho que as duas são essenciais para viver. Eu, por exemplo, tenho poucos amigos, falo dos amigos VERDADEIROS. E com aquelas pessoas distantes, três são essenciais para mim. E tenho esperanças de um dia nos encontrarmos. O amor é sem fronteiras certo? Então a distância não impede de amarmos uma pessoa que está longe.
Amigos são amigos, não importa se estão longe ou perto, pois amigos são amigos, uma valiosa mina de ouro que deve ser muito bem guardada.
Então, se você tem algum amigo que está longe de você, nunca perca suas esperanças de encontrá-lo, pois quem persiste em seus sonhos, consegue realizá-los. Independente de serem virtuais, amem eles, cuidem deles, guardem eles.
E esse post, é dedicado para essas três pessoas, que são essenciais para mim.

quarta-feira, 21 de julho de 2010

A batalha pela felicidade - cap 5

 Capítulo V - Eu tenho um pedido à fazer
Eram vinte e duas horas. Erick chega em casa com Katerine em seus pensamento. Ela estava presa no pensamento dele, não havia como sair da cabeça aqueles lindos olhos, aquela boca, aquele beijo...
Ele deitou-se com o amuleto de Kate, pois queria ela do seu lado aquele instante.
O pensamento de Katerine, também não era diferente. Aquele beijo estava em sua cabeça e não havia como esquecê-lo.
Com Kate sentindo falta de Erick, e Erick sentindo falta de Kate, iria ser uma noite longa, triste, e solitária.
O dia começa nascer em New York e a vida de Erick também, pois sem Katerine, simplesmente o mundo não tinha sentido para a vida.
Erick vai até a cozinha e se surpreende, pois seu café da manhã estara pronto. - Seria o plano do hotel? - pensou ele intrigado com a cena.
Na mesa havia um lindo bilhete dobrado em quatro partes.
" Oi Erick, você deve estar surpreso, eu sei. Eu mesma preparei seu café da manhã. Mandei a recepção lhe entregar. Você deve estar se perguntando como consegui encontrar seu endereço não é? Vá até o Plaza San Pablo às nove horas da manhã. Quero ver muito você.
Beijos, Kate"
Erick ficou simplesmente pasmo, sem reação alguma, pois pensou que Kate não tera sentido o mesmo sentimento que Erick sentiu por ela. Ele procura o pequeno papel que Brad tera dado para ele quando precisa-se. Aquele seria um útil momento para usá-lo. Ele pega o telefone e começa à digitar.
- Brad. É o Erick!
- Bom dia senhor. Em que posso ajudar?
- Me informe onde fica o San Pablo? Aquele plaza... É longe demais?
- Sei... É alí na Grew, com esquina da Clinton. Há um letreiro enorme. Você irá perceber.
- Ah, que beleza, muito obrigado.
Erick começa à se arrumar, pois quer comprar um lindo colar de pérolas para sua nova e recente namorada.
- Camisa azul ou preta? Talvez xadrez não? - indaga curiosamente para seu espelho.
- Xadrez!
Ele sai em direção à joaleiria, ao lado do CityBourm, aquela cafeteria em que os dois se conheceram. Apressado, ele escolhe uma das mais lindas pérolas azuis... Eram tão brilhantes que refletiam em seus olhos.
Erick sai da loja e avista um grande letreiro em movimento. Era lá o Plaza San Pablo. Ele iria encontrar sua amada lá. Ele se apressava mais e mais, pois não queria perder um segundo.
- Erick! - Kate olha em tom de extrema felicidade.
- Kate! - eles se abraçam tão forte, que aquela sensação de tudo parar retorna.
- Mas e aí, como achou meu endereço? pergunta Erick
- Ah, sabe aquele dia que nos esbarramos por acaso? Antes do acontecimento, eu avistei você descendo com uma extrema felcidade do London. E hoje, quis fazer uma surpresa à você. - ela fala toda envergonhada.
- Que coisa mais linda. Muito obrigado Kate. Ah, tenho uma surpresa à você. Comprei uma lembrança para você. - ele mostra aquele lindo presente.
- Erick, é, é lindo!
- E eu também queria fazer um pedido à você; Eu sei, nos conhecemos a pouquíssimo tempo, um dia para falar precisamente. Mas eu senti que você é muito em mim. Enfim! Katerine, você quer namorar comigo?
to be continued...
Para ler os capítulos anteriores, clique na página 'Histórias' nas páginas do blog.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Escolhas

A escolha é sua. Os caminhos que escolhe, o bem ou mal, só importa à você! Não se deixe levar pelas influências, pois a escolha é sim, sua. Você que irá trilhar, você irá viver, as consequências virão à você. Não se deixe levar pelos outros. Devemos escolher sim sozinhos, mas com consciência, com cuidado, atenção. Pois existem ruas sem saída. E após, você que irá sofrer. A vida é fruto de nossas escolhas.
Pense nisso.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Nunca pare de sonhar



É. Você já deve ter lutado e caminhado bastante para conquistar algo que muito queria, mas desanimou pois ouviu a palavra impossível e que você não era capaz. Muitas vezes, não alcançamos nossos objetivos pois há sempre alguém que nos desanima e aí pensamos que não conseguiremos MESMO, e a partir daí, achamos que tudo é impossível. Nada, absolutamente nada é impossível. Se temos uma meta, temos que batalhar, sofrer, chorar, gritar, espernear para alcançá-la, mas jamais desistir. Pois quem é persistente, consegue alcançar tudo o que quer. Esses são os chamados desafios da vida, e para alcançar tudo o que queremos, temos que lutar, lutar, e lutar, mas nunca desistir. Nada ganhamos fácil e de graça. A vida em si é um próprio desafio que vivemos todos os dias, para conquistarmos pequenas coisas. É assim que sempre foi, e acho que assim sempre será. Se nos manternos fortes, conseguiremos sempre. Pra mim a vida é um dos maiores desafios. Todo o dia, milhares de pessoas, lutam, para tentar obter uma vida DIGNA! Um cobertor, uma casa, um lugar para se abrigar e viver... Se todas pessoas lutassem e não desistissem, o mundo estaria melhor, e pessoas iriam ganhar suas coisas com seu próprio esforço. Não como hoje, que algumas pessoas desejam algo, e ela aparece na frente deles em um instante.
Então, em suas batalhas, risque essa palavra, pois tudo é possível. Nunca dica nunca pois tudo é ganho, quando persistimos.

tchau, leonardo

domingo, 18 de julho de 2010

A batalha pela felicidade - cap 4

 Cápitulo IV - É amor
Se você perdeu os capítulos anteriores, clique aqui.
- Kate...
- Fale Erick. Fale, não aguento mais essa tensão, esse nervosismo que está me sugando.
- Kate. Eu não sei o por que mas... Mas eu acho que me apaixonei por você pela primeira vista, como nos contos encantados. Eu, eu não sei. É uma coisa muito mais forte do que eu próprio. Eu sei. Estou sendo um completo imbecíl, mas eu tinha que falar. Eu estou apaixonado. E é por você, por você Kate!
Kate sem reação alguma, fica espantada, pois tinha conhecido aquele homem, naquele mesmo dia, algumas horas atrás. Mas  ela, tera sentido a mesma coisa por ele, mas ela estava confusa, não sabia o que era, mas era algo forte.
- Erick, eu estou muito surpresa. Eu... Eu não esperava nada disso. Mas quando vi você, eu senti algo esquisito, diferente, fora do normal em meu peito. Era algo forte, muito forte.
- Seria amor? - perguntou Erick
- É, amor. Algo que eu nunca tinha sentido tão verdadeiramente em toda a minha vida. Eu não sei, eu não sei Erick.
- Mas e agora? - indagou Erick
- E agora, acho que você anota meu telefone, e amanhã nos falamos. Estou muito confusa, e você também está. Se tiver vontade de me ver, ainda essa noite, segure este amuleto. Minha vó tera me dado quando tinha doze anos, e ela me disse que era para entregá-lo para o amor da minha vida. Se você não for ele, eu não sei mais o que é amor.
Ele pega o amuleto com um grande sorriso estampado em seu rosto, ouvindo aquelas lindas palavras de Kate.
- Jura que amanhã poderemos nos ver?
- Juro, claro. Eu preciso. - diz Kate
Os dois ficam naquele momento paralisado, sem nenhuma reação.
- Não sei se é cedo para dizer isso, mas Kate, eu amo você, e sempre esperei por você!
- Erick, eu conheci você hoje, e por acaso. Mas também amo você, e sempre esperei por ti.
Os dois se aproximam, e beijam-se. Era um beijo tão apaixonado que para eles, o mundo tinha parado naquele precioso momento. Simplismente o tempo congelou, parou tudo, New York estava morta. Só existia Kate e Erick, e Erick e Katerine.
- Tchau Erick.
Kate sai da cafeteria e vai até o metrô com pressa, com muita pressa. Erick então, pega seu MP3 e começa a ouvir sua música preferida, ' Back in Black'. Ele fica observamdo as ruas de New York, que sempre estão em movimento, movimento, movimento. Mas ela para, quando fica perto de Kate, olha Kate, abraça Kate, beija Katerine.

to be continued...

tchau, leonardo

sábado, 17 de julho de 2010

Confiança

Uma palavra de nove letras, mas um segundo para que ela seja riscada, apagada, cortada. Traição, acho que a pior coisa. Sim, isso já aconteceu comigo e com várias pessoas também. É uma das piores coisas que podem acontecer em uma amizade. Você confia muito em uma pessoa, você fala de sua vida pessoal, fala segredos, e ela publica um 'livro' de você para todo mundo ler, e você se passa por um COMPLETO imbecil e idiota, é!
Seja na amizade, no amor, no trabalho, em simplismente tudo, a confiança é um dos principais elementos para que tudo funcione. Mas depois dessa traição de confiança, tudo tem que voltar ao normal. Pelo menos tentar. Claro que será difícil perder um amigo por traição, mas temos que perceber que temos que olhar para as pessoas em nossa volta, e ver quem no gosta de verdade. Pois uma pessoa que gosta da gente, nunca faria isso. E também, temos que ver, quem são aquelas pessoas que nunca vamos poder confiar. Acho que agora, nem mais nossa sombra, é confiável.
Não fiz este pequeno texto para você chorar, mas para abrir seus olhos. Porque várias pessoas abrem seus olhos, quando já é tarde demais.

tchau, leonardo

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A batalha pela felicidade - cap 3

Quando viu aquela linda garota, o coração de Erick começou a bater mais forte. Ele nunca sentira isso antes em sua vida. Parecia uma coisa que estava em seu peito, que era mais grande do que ele próprio.
- Meu Deus, me desculpe. Sou desastrado. - falou Erick, admirado com a beleza de Kate.
- Não há nenhum problema.
Ao olhar para o lado, Erick avistou uma cafeteria. Aparentava ser uma das melhores cafeterias da cidade.
- Você não quer tomar um café, como minhas sinceras desculpas?
- Não precisa...
- Erick. Meu nome é Erick. Posso saber o seu?
- O meu é Katerine.
- E então, aceita o convite?
- Está bem Erick, eu vou.
Eles atravessam a rua e Erick, aparentemente está suando frio. A bela New York estava completamente coberta de neve, e agasalhada naquele dia.
- Cappuccino, tradicional ou café gourmet? - indaga a garçonete
- Cappuccino. - fala Kate
- Traga dois.
Enquanto o café estava sendo preparado, Erick estava com um pouco de vergonha, mas sem motivo. Ele não sabia o que estava acontecendo com ele mesmo, e o que estava sentindo por aquela moça que acabara de conhecer.
- E então... Você trabalha em que?
- Sou arquiteta. E você?
- Soldado. Vim de Lisboa e estou passando minhas férias aqui. E de repente vou trabalhar nas forças armadas de New York. Não é nada confirmado.
- Nossa. Deve ser um trabalho perigoso.
- É, mas gosto de fazer isso.
- O café senhores. - a garçonete coloca na mesa com a maior gentileza e educação.
Os dois começam a conversar, conversar, conversar... Enquanto a neve caía la fora, para Erick era como o mundo estivesse parado. Para ele, só existia Katerine.
- Nossa, perdi a hora. Preciso ir agora! - diz Kate.
- Não vá!
- Eu preciso. O metrô parte daqui alguns minutos. Depois não há muitas opções de horários. Quero voltar um pouco mais cedo.
- Não vá. Preciso-lhe dizer uma coisa. É muito importante para mim.
Kate senta. Ela fica assustada, pois havia conhecido aquele homem por acaso HOJE!
- O que é? - pergunta ela intrigada
to be continued...

Leitores, agora que estamos com férias escolares, o blog estará muito mais ativo. Pedimos desculpas por às vezes postarmos um dia sim, e outro não. Obrigado. @withoutanylink e @twotwok_

tchau, leonardo


terça-feira, 13 de julho de 2010

A batalha pela felicidade - cap 2

 Capítulo II - Central Park
Foram longas horas e horas de viagem. Erick saiu do avião com uma cara sono. Até não seria para menos, pois dormiu aproximadamente a metade da viagem sobre o oceano.
Perto da saída do terminal 7 do Aeroporto de New York. havia uma placa com o nome York - sobrenome de Erick - que foi andando com um pouco mais de velocidade ao encontro daquele homem de preto.
- Está esperando Erick York? - pergunta o mesmo com ansiedade sobre a resposta
- Sim, e presumo que você é ele, certo?
- É, sou sim.
- Pois bem! John Clark, o general, pediu-me para lhe mostrar o apartamento alugado para você.
- Ok. Então... vamos?
- Claro!
Erick entra no carro, com grande surpresa, pois não sabia que Clark tinha chamado um suposto ' guia ' para ele.
-Chegamos. - diz Brad, o suposto guia.
- Edifício London A ? O famoso edifício London de cem andares?
- Sim, certamente. Você irá ficar hospedado no 86º se não falha-me a memória. E toma meu cartão, caso precisar, é só ligar. Sou Brad.
- Oh! Está bem. - Erick pega o papel, mas com um pouco de desconfiança.
- Até mais então.
- Até.
O 86º andar, não seria uma boa escolha, pois Erick, tem um certo receio de prédios altos. Mas um sacrifício pelo London A, não seria difícil. Então, ele abre a porta de seu quarto, e encontra um pequeno castelo luxuoso.
- TV de plasma, notebook, cama com colchão de água, não é demais para mim? - falou Erick pulando de felicidade. - Acho que para comemorar, vou chamar o Brad, para me levar ao Central Park.
Ele pegou o telefone, e fui até a sacada olhar a vista da bela New York. E é quando ele se admira, e vê, que o famoso Central Park, é na frente de seu apartamento. Não seria muita sorte para uma mesma pessoa?
Ele vai até o elevador muito entusiasmado e atravessa a Avenida Grew correndo, pois não quer perder um segundo de suas férias.
Distraído, Erick, sem querer bate contra uma bela garota, e seus livros caem. Era uma garota linda, com um sorriso branco como a neve, e olhos azuis como o céu. Era uma verdadeira princesa.

to be continued...

tchau, leonardo

tear

Um beijo negado. Neve. Mãos molhadas. Bilhetes. Uma carta. Lágrimas.
Foi assim que começou, e foi assim que terminou.
Apesar da neve, Laura não sentia frio, pelo contrário, se sentia quente, tão quente que queimava. Ela e Caio estavam sentados no parque, embaixo de uma árvore, e apesar do frio, estavam confortáveis. Era sempre assim, ela sempre se sentia confortável com Caio, ele era seu melhor amigo, seu diário. O céu mudou de cor, a neve caía cada vez mais, e mesmo assim, eles não foram embora. Caio segurou a mão de Laura, como sempre fazia, mas dessa vez foi diferente, a mão dele estava suada, quente, e tremia.
- Que foi bebê? – perguntou a garota.
- Preciso te contar uma coisa.
- Fala.
Caio suspirou.
- Eu mudei com você. Comecei a só pensar em você, só querer você, te ver a cada momento, e é só isso pra mim agora: você. Laura, eu te amo, e estou apaixonado por você.
Ele se inclinou para beijá-la, ela se esquivou, mas não soltou sua mão. Então, depois de uma vida de silêncio, ela falou:
- Eu amo você. Mais que tudo e todos. Mais do que a mim mesma. Adoraria sentir o mesmo por você, mas não sinto. Não te amo da mesma forma, e apesar de ter sido o melhor você ter me contado, quebrou a magia que tinha entre nós. Eu preciso de um tempo. Você sempre será meu melhor amigo, Caio. E sempre será a sua mão que vou querer segurar.
Com a voz de quem só confirmou o que já sabia, ele deu-lhe um beijo na testa, e respondeu:
- Prometo sempre estar aqui para segurar sua mão.
Naquela noite, Laura não chorou. Nunca chorava, nem quando seu pai morreu. Desde que nasceu nunca chorou. Porém, naquela noite, ela queria mais do que tudo chorar.
Quando acordou, havia um bilhete colado na janela, ela não conseguiu evitar o sorriso. Caio, fazia dois anos, vinha de manhã, e colava um bilhete na janela, hoje não seria diferente. Quando olhou o bilhete, ficou confusa, não havia palavras, só o desenho de uma mão. O papel estava molhado, eram lágrimas.
Uma vez, Caio disse que gostava de lágrimas, eram limpas e salgadas, e Laura sentiu vontade de chorar depois de ouvi-lo. Ela guardou o bilhete no bolso, e não na gaveta, como sempre fazia. Não entendeu o porquê.
Laura não viu mais Caio. Passou-se um ano. Foram 365 bilhetes de bom dia, 364 estavam na gaveta, e um deles, continuava no bolso, sempre com Laura.
Em uma manhã, o bilhete a assustou. Era o endereço do parque, e o horário exato em que ele contou que a amava naquele último dia em que se viram.
A garota passou angustiada o resto do dia, e quando chegou no parque, só havia uma carta:


Olá minha vida. O sol está se pondo, não é lindo? Sabe, o sol me lembra você. Ele é a luz e o calor do mundo. E você é, e sempre será, a luz e o calor do MEU mundo. Sabe, não achava que isso ia acabar assim. Meu coração foi negado pela única pessoa a quem eu queria dá-lo, mas mesmo assim, ele é seu, e sempre será. Então eu lhe peço, cuide bem dele, com todo amor e carinho. Perdoe-me por este ato irracional. Viver todo esse tempo sabendo que você não me amava da mesma forma tem sido como ser queimado, e cada dia é uma chama mais quente. Ver você passando na rua, e não poder te tocar, é tão doloroso que prefiro não ter olhos, pois assim, não poderei vê-la. Eu não vivo, eu apenas existo. Como por comer, respiro por respirar, ando por andar, durmo por dormir. A única coisa que me motiva a abrir os olhos todas as manhãs é escrever um bilhete de bom dia á ti. Quando você voltar para casa, não existirei mais. Não há sentido em existir sem você. É insuportável dizer adeus ao meu primeiro e único amor, mas nos encontraremos de novo, sei disso. Peço-lhe que me perdoe por isso, e por tudo o que eu te fiz passar. Amanhã cedo, você não receberá bilhetes, mas acho que você já os tem em quantidade suficiente. Mesmo não te mandando bilhetes, desejo que todos os dias de sua vida sejam felizes. Acho que com isso, todas as peças irão se encaixar, e tudo irá melhorar. Saiba que eu te amo, e sempre vou te amar. Não se preocupe comigo, estarei bem, e vou cuidar de você a onde quer que eu esteja. Se um dia você precisar, minha mão sempre estará naquele bilhete. Desculpe por chorar e borrá-la. Mesmo que você não me veja, poderá me sentir, sentir minha mão, que estará sempre segurando a sua.
Com todo o amor que sempre vou sentir, teu Caio.

Laura sentiu raiva. Se ele era seu, porque iria abandoná-la? Ele era dela, sempre seria. E tinha que estar presente. Simplesmente TINHA. Era surreal e cruel pensar o contrário. Mas ela sabia que era tarde demais. Então, ela murmurou, e sabia que onde ele estivesse, iria ouvi-la:
- Eu também estou apaixonada por você. Sempre estive. Desculpe se demorei muito para descobrir.
Dizendo isso, ela olhou para baixo, para a mão que segurava a carta, e sentiu uma coisa quente cair ali. Era uma lágrima. A lágrima que só Caio conseguiu produzir, a lágrima dele. A mais linda e dolorosa de todas as lágrimas.






Enfim, esta é uma história que eu fiz porque eu sou uma inútil que não tenho nada pra fazer e amo escrever. Peguei algumas idéias do @leeeob pra fazer a carta, e o resto eu fiz sozinha mesmo. Espero que gostem, xx. @natspq

sábado, 10 de julho de 2010

A batalha pela felicidade - cap 1

 Capítulo I - New York?

- Não! Não quero sair daqui! Não quero ir para New York. Tenho um pedaço da minha vida do outro lado do oceano. Lisboa, é imensamente diferente, não irei me acostumar.
- Você deve ir para lá! Você é um soldado. Vive sob ordens. A nossa nunca será mudada, e nós, mandamos em você!
O general Clark entrega um pequeno papel à Erick, que fica assustado e apreensivo para saber o que está escrito lá.
- Seu apartamento é o 402 da Avenida Grewn. Você irá ficar lá por volta de dois meses, e retorna só com nossa ordem.
- Já que não tenho escolhas, vou fazer as minhas malas.
- Ah, e Erick. Está dispensado por duas semanas. Não se preocupe com o retorno ao trabalho. Depois você terá uma missão, é. Mas será avisado com antecedência.
- Está bem então, adeus!
Erick sai da sala, com uma felicidade imensa estampada em seu rosto, mas com um pouco de receio por ter que se mudar de cidade. Ele vai até seu antigo quarto, e começa à relembrar alguns pequenos, mas preciosos momentos que teria vivido com seus amigos na F.A de Lisboa.
A noite começa a cair. Erick termina de arrumar suas malas e liga até a recepção para providenciarem um táxi até o aeroporto. Seu vôo, é o 473 da Port Airlines que decola às 00:40, faz uma escala em Miami, e após uma pousa em New York. Será uma longa e cansativa viagem.
- Senhor Erick, seu táxi está esperando você.
- Oh, que rapidez. Obrigado por tudo mesmo Jan.
Ele entra no carro. Até o aeroporto é um percurso de aproximadamente cinco quilômetros. Do rosto de Erick, incrivelmente cai uma lágrima, como ela, estivesse se despedindo das ruas e das pessoas de Lisboa.
- Agora não posso abaixar a cabeça. Irá ser uma grande mudança. Nova cidade, vida nova, tudo novo - pensou Erick tentando ser otimista.
Ele chega ao aeroporto e vai direto ao portão de embarque. Como o vôo vai ser longo, ele levou um livro que estaria nas paginas finais.
Sentou-se na poltrona confortável da 1ª classe do avião, colocou os fones de ouvido, e começou à ouvir um rock clássico.
Enquanto o avião taxiava, Erick estava com o pensamento lá nos 'Estados Unidos da América', com uma grande expectativa da sua nova vida.
O avião acelera, o coração dispara, e começa uma nova jornada para ele. Uma vida que ele espera ser boa.
De lá de cima, dava para ver tudo, algumas luzes de várias casas até começaram à se apagar. É como fosse uma despedida da cidade de Lisboa, para Erick.

to be continued...
tchau, @leeeob

Over You - Chris Daughtry

Amei essa música, espero que gostem, segue abaixo a tradução e o vídeo.


Te esquecer

Agora que está tudo dito e feito,
Não consigo acreditar que você foi a única
A me construir e depois me destruir,
Como uma casa velha e abandonada.
O que você disse quando partiu
Me deixou com frio e sem fôlego,
Eu caí tão fundo, foi bem intenso.
Acho que deixei você ter o que eu tinha de melhor...

Bem, nunca pensei que chegaríamos a esse ponto
Deveria ter fugido
Há muito, muito tempo atrás!
Nunca pensei que duvidaria de você,
Estou melhor sem você
Mais do que você, mais do que você sabe
Devagar estou encerrando isto.
Acho que realmente acabou.
Estou finalmente ficando melhor.
Agora estou juntando os pedaços,
Estou passando todos esses anos
Colocando meu coração de volta no lugar.
Porque o dia que eu achei que eu nunca superaria
Eu te esqueci!

Você destruiu essas paredes,
Arrastou as memórias corredor a fora,
Pegou suas coisas e partiu...
Não havia nada que eu poderia dizer.
E quando você fechou a porta da frente,
Muitas outras se abriram,
Assim como meus olhos, então consegui enxergar,
Que você nunca foi o melhor pra mim!

Bem, nunca pensei que chegaríamos a esse ponto
Deveria ter fugido
Há muito, muito tempo atrás!
Nunca pensei que duvidaria de você,
Estou melhor sem você
Mais do que você, mais do que você sabe
Devagar estou encerrando isto.
Acho que realmente acabou.
Estou finalmente ficando melhor.
Agora estou juntando os pedaços,
Estou passando todos esses anos
Colocando meu coração de volta no lugar.
Porque o dia que eu achei que eu nunca superaria
Eu te esqueci!

Bem, nunca pensei que chegaríamos a esse ponto
Deveria ter fugido
Há muito, muito tempo atrás!
Nunca pensei que duvidaria de você,
Estou melhor sem você
Mais do que você, mais do que você sabe

Bem, nunca pensei que chegaríamos a esse ponto
Deveria ter fugido
Há muito, muito tempo atrás!
Nunca pensei que duvidaria de você,
Estou melhor sem você
Mais do que você, mais do que você sabe
Devagar estou encerrando isto.
Acho que realmente acabou.
Estou finalmente ficando melhor.
Agora estou juntando os pedaços,
Estou passando todos esses anos
Colocando meu coração de volta no lugar.
Porque o dia que eu achei que eu nunca superaria
Porque eu te esqueci!
Eu te esqueci!
Eu te esqueci!
Porque o dia que eu achei que eu nunca superaria
Eu te esqueci!





xx, @natspq

A batalha pela felicidade

Bom, como tinhamos falado no post abaixo, estamos trazendo novidades, e uma delas, é as nossas histórias que postaremos aqui. Sinta-se convidado à ler, e comente. E mais novidades virão por aí.

Sinopse - A batalha pela felicidade
 
 
Erick, que era das forças armadas, pediu alguns meses de férias do trabalho. Neste tempo, ele conheceu uma bela garota, chamada Katerine, no Central Park. Eles começaram à conversar e após um pequeno tempo, os dois começaram à namorar.
Erick foi chamado para retornar as Forças Armadas. Ele fica indeciso, pois tem um relacionamento muito forte com Kate, e o futuro deles está ameaçado.
 
O capítulo I já está pronto. Caso vocês gostarem e se interessarem pela história, postarei aqui.
tchau, @leeeob

quinta-feira, 8 de julho de 2010

o que você não sabia sobre nós.

A Lúria, do Distúrbios Sóbrios, novamente nos indicou para fazermos um meme. Mas agora, vou escrever aqui, seis coisas que você não sabe até este momento sobre nós.
- @natpsq tem uma irmã gêmea.
- @leeeob tem uma cachorra chamada Lilica, e uma calopsita chamada Chico.
- @natspq ama a saga de HP e Twilight.
- @leeeob gosta de Supernatural.
- @natspq ama Luan Santana.
- @leeeob gosta de matemática.

para este meme, indico os blogs:

Pedimos desculpas por ficarmos sem postar por alguns dias. Estamos trazendo mais e mais novidades para você.

domingo, 4 de julho de 2010

Despedida cruél.

Pois bem, você deve ter notado o sumiço das minhas roupas e alguns objetos que pertenciam à mim, e o que restou foi esse papel que estava em cima da cômoda marrom.
Como você já deve ter deduzido, peguei as minhas coisas e larguei-me ao mundo. Estes últimos dias em nosso pequeno apartamento estavam insuportáveis. E como ninguém suspeitava, entrei em depressão. Não achava que isso ia acabar assim. Você saía com seus amigos e amigas e voltava no horário em que eu saía para ir ao trabalho, e batalhar para conquistar um pouco de dinheiro para sustentar você e o bebê. Eu tentava ser o mais presente possível para você e o nosso filho, mas para você, eu falhei. Eu falhei pois não ia junto às suas festas, e às suas bebedeiras, e as vezes eu até agradeço por isso, pois fiquei junto de nosso filho. Acho que o bebê não se lembrará mais de mim. Mas ele precisará muito de você. Então eu lhe peço, cuide bem dele, com todo amor e carinho. E também seja uma mãe presente, como eu fui com ele até ontem. Me perdoe por este ato irracional. Acho que vou para uma pequena cidade na França. Não sei o que vou fazer da minha vida. Acho que nem mais viver eu quero, é. Caso ocorrer o ato de meu suicídio, diga para o nosso filho que eu o amei muito. Não sei preocupe comigo, e nem com minhas decisões. Se a minha morte ocasionada por mim mesmo ocorrer, você será avisada, e peço-lhe que não chore, pois não quero o sofrimento de uma pessoa por algo tão inútil como eu. Tente não falar com ninguém sobre esta carta. Deixei boa parte de meu dinheiro no cofre. Novamente, peço-lhe que me perdoe por isso, e por tudo o que eu te fiz passar. Acho que com isso, todas as peças irão se encaixar, e tudo irá melhoras. Eu amo todos vocês.
Adeus.
tchau, @leeeob.

sábado, 3 de julho de 2010

Ó pátria amada, idolatrada.

Pois é. Fomos eliminados. Mas acho que agora, não devemos abaixar a cabeça, e desonrar a nossa pátria amada, e idolatrada. Claro, ninguém gosta de perder uma copa certo? Mas e antes de o Brasil ser eliminado da copa do mundo, concerteza você deve ter ouvido alguém falar que tem orgulho de ser brasileiro, que irá estar com o  Brasil pra sempre, na vitória e até na derrota. Pois bem, e agora que o Brasil perdeu, concerteza você deve ter ouvido ou até mesmo DITO o oposto dessas frases. Acho que isso não é ter honra à pátria e ter orgulho de ser brasileiro. Essas atitudes são irracionais. Em 2014, você vai ouvir novamente pessoas falando que tem orgulho de serem brasileiras. Mas e aí eu te pergunto. E se o Brasil perder novamente? Irá acontecer a mesma coisa. Acho que isso pode ser até um 'ciclo', e também todo humano deve agir assim quando seu time perde. Claro, eu também fiquei muito chateado com a nossa derrota, todo mundo deve ter ficado. Mas nem por isso deixei de idolatrar a minha pátria e dizer que sou brasileiro. Nessas horas de derrotas, acho que temos que ser mais brasileiros ainda para apoiar nossa seleção, mesmo ela errando, e ocasionando a derrota. Nascemos aqui no Brasil, e para sempre seremos brasileiros mesmo mudando de país, sempre teremos o sangue brasileiro, o sangue da energia, o sangue vencedor, o sangue que não perde nunca, o sangue que apóia todo o brasileiro em dificuldades.
Por isso, agora, agradeço à nossa seleção, ao nosso técnico e toda a comitiva do Brasil. Vocês fizeram um belo trabalho. Parabéns Brasil, e obrigado Brasil!




tchau, @leeeob

nós somos assim, em resumo.

Fomos indicado pela Lúria, dos Distúrbios Sóbrios, para fazer um meme, onde temos que expor a vida de nós moderadores, em fotografias. Como eu gostei muito da idéia, então lá vai:

nosso ser estável : 
o que nos faz sorrir:


 que nos faz chorar:


um filme:
 um pecado:
esporte: 
livros:

lembranças fofas da infância:
Bom, não somos acostuamdos à postar com várias imagens, mas tivemos interesse nisso. 
Para este meme, indico os blogs:tchau, @leeeob e @natspq.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Voar.

A minha intensa paixão,começou desde quando eu era pequeno. Pegava meus carrinhos, que eram em miniaturas, criava rotas para meus aviões cumprirem, e fazia da minha cama, uma pista de um aeroporto.
Pelas poucas vezes que viajei de avião, essa minha paixão aumentou.
O avião em que viajei, sobrevoava a minha casa, e seja aonde eu estivésse, eu largava tudo o que estava fazendo, saía correndo, olhava para o céu e avistava aquele pequeno avião turbohélice de apenas dezenove assentos.
Quanto eu tinha meus carrinhos, que eu fingia serem aviões, sempre tentava imaginar como seria olhar o mundo de cima. E eu que pensava que só os pássaros teriam esse grande privilégio. Olhar para a janela, de dentro do avião, para fora, é como nos sentirmos voando sozinhos como os pássaros. Nesses segundos que você olha para o horizonte, você se esquece que está sendo movido por um motor, um combustível, e um humano.
A minha paixão pelos aviões e por voar é eterna. Pensei em até ser piloto de aviões comerciais. Mas acho que há muito tempo para pensar nisso. E a sua paixão, qual é?
- Agradeço à Alberto Santos Dumont, por criar esta maquina, em que podemos olhar o mundo com outros olhos.
tchau, @leeeob.